Vídeos mostram como funciona o rastreamento de pacotes internacionais e as modalidades de envio

 

Nem todo mundo entende o processo de entrega de uma encomenda internacional: existe a incerteza da tributação pela Receita Federal, o buraco negro de Curitiba e a confusão no rastreamento de alguns pacotes. Por isso, os Correios publicaram vídeos explicando os prazos de entrega e as diversas modalidades de importação disponíveis na estatal.

São dois vídeos. O primeiro é voltado para o público em geral e explica rapidamente as modalidades de entrega:

Há um segundo vídeo, no canal de funcionários dos Correios, com números detalhados de importação de produtos. Ele conta com a participação do presidente da estatal, Carlos Roberto Fortner:

Os Correios explicam que cerca de 80% dos pacotes internacionais vêm da China. Eles demoram aproximadamente 20 dias para desembarcar no Brasil e costumam ser direcionados para o Centro Internacional de Curitiba (CEINT), onde cerca de 300 mil encomendas chegam todos os dias.

A encomenda é processada pela Receita Federal ainda em Curitiba, onde o fisco pode ou não liberar o pacote, com ou sem tributação. Depois, o objeto pode levar de 12 a 40 dias úteis para chegar até a residência do comprador, dependendo da modalidade de envio. Existem três opções para importação de documentos e pequenas encomendas de até 2 kg:

  • Prime Exprès: também conhecida como Priority Mail ou e-Packet. Tem entrega mais rápida, em torno de 12 dias úteis após a liberação pela Receita Federal, bem como rastreamento completo, com código iniciado pela letra L (exemplo: LY012345678CN).
  • Pequena encomenda registrada: também conhecida como registered mail, small parcels ou small packets. O prazo de entrega é maior (40 dias úteis) e o rastreamento é parcial (apenas quando chega ao Brasil e quando é entregue ao destinatário). O código de rastreamento começa com R (exemplo: RB012345678CN).
  • Pequena encomenda simples: também conhecida como unregistered mail, small parcels ou small packets. O prazo de entrega é de 40 dias úteis após a liberação pela Receita Federal e não há nenhum tipo de rastreamento.

Algumas lojas também enviam pacotes por modalidades mais rápidas: Mercadoria Econômica ou Colis Postaux (até 30 kg, código de rastreamento iniciado pela letra C e prazo médio de entrega de 7 dias úteis) e EMS (até 30 kg, código de rastreamento iniciado pela letra E e prazo médio de entrega de 3 dias úteis).

A estatal voltou a criticar as etiquetas fora do padrão em encomendas vindas da China: elas chegam sem CEP, sem endereço completo ou com baixa qualidade de impressão, exigindo triagem manual e aumentando o prazo de entrega. Os Correios dizem que essas encomendas geram perdas de R$ 1 bilhão por ano aos cofres públicos, e estudam uma forma de obrigar o comprador a pagar os custos do frete no momento da entrega.

Em 2017, após quatro anos de prejuízo, os Correios voltaram a fechar no azul, com lucro de R$ 667 milhões. As perdas da estatal haviam sido de R$ 1,48 bilhão em 2016 e R$ 2,12 bilhões em 2015.