O GDPR (sigla em inglês para Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados) entra em vigor na União Europeia em 25 de maio, e vem fazendo várias empresas se movimentarem. A Apple, por exemplo, se concentrou em aplicativos que não são claros em relação ao uso de informações pessoais.

Nos últimos dias, a empresa removeu diversos apps que compartilhavam a localização dos usuários com terceiros sem pedir permissão. Os desenvolvedores receberam um e-mail dizendo que, depois de uma reavaliação, ficou comprovado que os programas violavam as regras da App Store.

As diretrizes proíbem a transmissão de dados do usuário “sem antes obter sua permissão e fornecer acesso a informações sobre como e onde os dados serão utilizados”.

Além disso, o compartilhamento de dados deve ter finalidades permitidas pela Apple, como melhorar a experiência do usuário ou exibir anúncios.

Para que os aplicativos voltem à App Store, os desenvolvedores terão de remover códigos ou arquivos que possam estar em desacordo com as normas. Em seguida, os programas precisarão ser enviados novamente e, então, aprovados.

Não há informações sobre quantos aplicativos foram removidos, mas no Twitter há um exemplo do e-mail enviado pela Apple: