Over 10 years we help companies reach their financial and branding goals. Engitech is a values-driven technology agency dedicated.

Gallery

Contacts

411 University St, Seattle, USA

+1 -800-456-478-23

Sem categoria

Há pouco mais de um mês, três mil empregados do Google assinaram uma carta pedindo que a companhia deixe de colaborar com o Pentágono em um projeto militar chamado Maven. Diante da negativa, alguns deles deram o passo seguinte no protesto: pediram demissão. Pelo menos 12 funcionários renunciaram aos seus cargos.

Todos eles, declaradamente, saíram por conta da insistência do Google com o Maven. Apesar de a oposição ao projeto ter aumentado para quase quatro mil funcionários nas últimas semanas, a empresa não desistiu da participação, pelo contrário: defendeu a sua permanência na parceria com o Pentágono.

Mas o que é o Maven? O projeto surgiu formalmente no ano passado como um programa para encontrar formas de acelerar o uso da inteligência artificial em aplicações militares. A iniciativa visa, sobretudo, aplicar a tecnologia na identificação de objetos em imagens capturadas pelos drones das forças armadas.

Basicamente, o Google tem contribuído com o Maven dando acesso e suporte ao Pentágono para uso do TensorFlow, sua biblioteca de código aberto para aprendizagem de máquina. Apesar de a companhia reiterar que a sua tecnologia vai ajudar o Pentágono a identificar ameaças e prevenir a morte de pessoas inocentes, os funcionários que assinaram a carta não ficaram convencidos. Negócios: Google lança novos planos de armazenamento na nuvem e reduz preço de 2 TB

Para começar, há o temor de que, mesmo que o Google se posicione contra, os militares apliquem a tecnologia em ações que podem causar morte de pessoas. Além disso, os funcionários acreditam que a participação contradiz os princípios do Google de trabalhar em prol do bem-estar geral.

Também há questionamentos éticos. O Google começou a colaborar com o Pentágono de um modo um tanto silencioso. Só no final de fevereiro é que a notícia do envolvimento da empresa no Maven começou a se espalhar internamente.

Pressionado, o Google prometeu atualizar os funcionários sobre seu posicionamento ético, mas até agora não o fez. Para um dos que pediram demissão, seria tarde de qualquer forma: “preocupações éticas deveriam ter sido abordadas antes de entrarmos nesse contrato”.

Centcom Combined Air Operations Center

Alguns funcionários decidiram sair não só como forma de protesto, mas também por se sentirem desconfortáveis. “Em algum momento, percebi que eu não poderia, de boa vontade, recomendar que alguém entrasse para o Google, sabendo o que eu sei. Percebi que, se não posso recomendar às pessoas que trabalhem aqui, por que devo continuar?”, disse um deles.

Não deve haver uma debandada massiva. De todo modo, o protesto conseguiu gerar alguma mobilização. Uma nova carta aberta dirigida aos principais executivos do Google pede que a companhia deixe de colaborar com o Maven. A maior diferença em relação à primeira é que esta foi assinada por cerca de 400 especialistas, pesquisadores e acadêmicos de várias partes do mundo.

O Google não se pronunciou sobre os funcionários que pediram demissão, pelo menos até o momento.

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante: Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes.
Criado por WP RGPD Pro