Motoristas do Uber e 99 ameaçam paralisação no Brasil devido à falta de segurança

Greve pode afetar Uber e 99 em todo o Brasil em 20 de janeiro; motoristas querem cadastro mais rigoroso dos passageiros.

Motoristas do Uber e 99 no Rio Grande do Sul não farão corridas nesta segunda-feira (14) como protesto contra a violência. Além disso, uma mensagem vem se espalhando em grupos do WhatsApp convocando uma paralisação em todo o Brasil no dia 20 de janeiro. Os apps estão sendo pressionados a adotar mais medidas de segurança, como obter um cadastro mais rigoroso dos passageiros e mostrar o endereço de destino.

A Alma-RS (Associação de Motoristas de Aplicativos do Rio Grande do Sul) estima que oito mil motoristas no estado — cerca de 60% do total — devem aderir à paralisação. Ela começou nesta manhã em Porto Alegre, Nova Hamburgo e outras cidades. A orientação é não aceitar qualquer corrida durante 24 horas.

Motoristas querem cadastro mais rigoroso de passageiros

Segundo o UOL Tecnologia, estas são as principais exigências dos motoristas:

  • realizar um cadastro mais rigoroso dos passageiros, assim como é feito para os condutores;
  • mostrar o endereço de origem e destino antes de a corrida ser aceita;
  • permitir que o motorista não aceite dinheiro como pagamento, especialmente à noite;
  • mostrar a foto do passageiro;
  • pedir que o usuário insira uma senha ao solicitar uma corrida, para evitar que criminosos façam o pedido com um celular roubado.

Algumas dessas medidas poderiam ter efeitos colaterais. “Os aplicativos se negam a mostrar a foto dos passageiros por medo de que haja uma seleção, o que para os apps é ruim e para experiência dos passageiros também”, explica Marlon Luz ao UOL Tecnologia. Ele é vice-presidente da Amasp (Associação de Motoristas de Aplicativos de São Paulo).

E quanto a deixar que o condutor não aceite dinheiro? “A 99 oferece e tem muitos crimes também”, lembra Luz.

Algumas associações de motoristas defendem uma paralisação no Brasil, mas não há consenso sobre a data — mensagens em grupos do WhatsApp sugerem o dia 20 de janeiro, um domingo. “Queremos que o motorista trabalhe e ganhe dinheiro, paralisar significa deixar de ganhar dinheiro, e isso é ruim”, diz o vice-presidente da Amasp.

Detentos criticam mortes de motoristas do Uber e 99

Dois motoristas do RS foram mortos nas últimas semanas. Antônio Everton Pereira dos Santos, de 21 anos, foi baleado na cabeça enquanto fazia uma corrida pelo Uber na quinta-feira (10). Paulo Júnior da Costa, de 22 anos, desapareceu na noite de 31 de dezembro enquanto trabalhava pelo Uber; seu corpo foi encontrado dias depois em Santa Catarina.

Além disso, três condutores do RS foram baleados nas últimas semanas — um deles na madrugada de hoje, horas antes de a paralisação começar. Ele foi atingido no pescoço, mas não corre risco de morte.

A situação está tão grave que até mesmo os detentos no RS estão criticando a onda de assassinatos dos motoristas. Os presos dizem que não há necessidade de matar após o roubo, segundo áudios de WhatsApp obtidos pelo Correio do Povo. Eles também temem que o governo reforce o policiamento nos bairros, prejudicando atividades criminosas.

Os detentos acreditam que esses ataques vêm de criminosos menos experientes que ainda estão começando. “Veterano não faz isso aí… essa piazada aí, pra dizer que é bandidão, vai ali e toca uma faca, vai ali e dá um tiro e seguinte, chega na cadeia, ‘bah, matei dez, vinte’, mas não tem um pra apoiar ele”, diz uma das mensagens de voz.

Motoristas de aplicativo fazem carreata pelas ruas principais de Porto Alegre. Categoria pede mais segurança pic.twitter.com/hdP2U6gu0r— Correio do Povo (@correio_dopovo) 14 de janeiro de 2019

Uber e 99 ressaltam medidas de segurança

Em comunicado, a Uber diz que usa machine learning “para bloquear viagens de risco, e lançou uma ferramenta de segurança para motoristas, incluindo um botão de pânico para acionar a polícia“. Ela também mostra qual será a forma de pagamento antes de o usuário embarcar. A empresa pede informações extras, como CPF e data de nascimento, para quem paga somente em dinheiro.

Enquanto isso, a 99 lembra que “montou uma equipe especialmente dedicada, composta por mais de 70 pessoas incluindo ex-militares, engenheiros de dados e psicólogos”, que “foi responsável pela redução em 82% dos incidentes na plataforma em 2018”.

Além disso, ela usa inteligência artificial que veta as áreas de risco para motoristas; exige CPF e cartão de crédito antes da primeira corrida; e dá a opção aos condutores de não aceitar dinheiro.

By |2019-01-14T16:25:41+00:00janeiro 14th, 2019|Blog|
× Como posso te ajudar?